Clay e Graziela seguem para a Nova Zelândia

0

No último domingo (11), a Igreja Batista da Lagoinha se despediu do pastor Clay e sua família que se mudaram para a Nova Zelândia. Sua derradeira comissão em nossa igreja foi a de vice-diretor do CTMDT, desde 2007. O pastor Clay Peterson de Oliveira, 39, estudou na Faculdade de Teologia de Belo Horizonte (Fate-BH) e no Centro de Formação Missionária Diante do Trono (CFMDT). Clay participou de todos os projetos do DT, de 2002 a 2010, incluindo as turnês pela Europa, Japão, Indonésia e Estados Unidos. Já fez viagens missionárias à Inglaterra, Escócia e Nova Zelândia. Clay é casado com Graziela Oliveira, cantora, decoradora e coordenadora do Curso de Louvor e Adoração do CTMDT. O casal tem dois filhos: Clarice (6) e Vinícius (4). Em entrevista exclusiva, o pastor Clay fala a respeito de sua vinda para a Lagoinha e a recente mudança para a Nova Zelândia.

Atos Hoje – Quando e como foi que vocês vieram para a Lagoinha?

A Graziela veio um pouco antes de mim, em 1997. Ela já era cristã atuante e inclusive já havia participado de um grupo missionário que viajava o mundo levando a Palavra de Deus por meio das artes. Foi a sede por profundidade na adoração que a trouxe para a Lagoinha. Inicialmente, ela se envolveu no ministério Centésima Ovelha. Mais tarde, ingressou no Grupo Chamas, onde nos conhecemos. Eu também já exercia o ministério de louvor e adoração desde os 10 anos de idade, na igreja onde me converti, mas sentia um desejo forte de me aprofundar no conhecimento da Palavra de Deus e de crescer como cristão e ministro. Minha porta de entrada na Lagoinha foi a Fate, antiga faculdade da igreja, onde estudei Teologia, em 1998. Estudei na primeira turma do Centro de Formação Missionária Diante do Trono de onde fui enviado para pastorear no bairro Veneza, no mesmo ano em que nos casamos, 2001. Nesse período, já integrávamos o grupo de vocalistas no DT. Em 2004, fomos convidados para participar da criação do CTMDT.

Atos Hoje – Por que decidiram ir para a Nova Zelândia? Em qual cidade se instalarão?

Nossa decisão baseou-se numa convicção de que o Senhor estava nos direcionando para esse país onde estivemos pela primeira vez em 2011. Nessa viagem criamos vínculos de amizade e cooperação com os irmãos que já estão atuando há algum tempo lá. Vimos a necessidade daquele povo, que tem se distanciado de Deus a cada dia. Algumas igrejas estão fechando suas portas e as que sobrevivem são frequentadas apenas por idosos. Quebrantou o nosso coração perceber que a Igreja neozelandesa pode morrer se não for ajudada urgentemente. As igrejas onde atuamos por quase seis meses, contando uma segunda viagem mais recente, é formada essencialmente por latinos e brasileiros e a presença dos estrangeiros tem trazido novos ares ao ambiente das igrejas, por isso fomos convidados para fortalecer esse projeto de revitalização da igreja local. A sede do nosso projeto será a cidade de Queenstown na Ilha Sul, uma cidade que recebe turistas do mundo todo, além de ter também imigrantes de muitas nações.

Atos Hoje – Em que igreja estarão e quais funções exercerão?

Atuaremos junto à Igreja Presbiteriana, ao lado do pastor Ian Guy, neozelandês e do pastor João Petrecelli, brasileiro. Ambos têm uma visão maravilhosa de alcançar, não apenas os neozelandeses, mas também os estrangeiros. A igreja presbiteriana neozelandesa é muito organizada e piedosa, mas os membros reconhecem a necessidade de revitalizar seus projetos para poderem alcançar mais jovens e voltar a ser uma igreja relevante em toda a nação. Minha função é a de pastor associado. Vamos servir em todas as áreas que houver necessidade, mas principalmente, iremos trabalhar para formar ministérios de louvor e grupos de evangelismo entre os jovens. A igreja já atua em grupos pequenos como na Lagoinha, por isso, temos o objetivo de trabalhar para formar novos grupos e incentivar a formação de líderes entre os mais maduros. Cremos que o trabalho nas casas pode e vai crescer muito, principalmente pelo clima mais frio em boa parte do ano, o que torna o encontro caseiro mais aconchegante.

Atos Hoje – Qual é a necessidade em termos de trabalho cristão na Nova Zelândia?

A Nova Zelândia é um país pequeno, formado por duas ilhas principais. Suas paisagens belíssimas são conhecidas no mundo todo e o desenvolvimento da nação chama a atenção, pois nos índices globais ela aparece entre as dez melhores em quase tudo. Por outro lado, o número de pessoas usuárias de antidepressivos é alto e muitos jovens são viciados em drogas e álcool. A sociedade está profundamente contaminada com os conceitos do ateísmo e as escolas são o ambiente em que a fé e a espiritualidade são mais combatidas. É urgente que a igreja se levante para abrir um diálogo com os jovens, para desmascarar esses ensinos mentirosos que contrariam os fundamentos da própria nação.

Atos Hoje – Qual será o vínculo com a Lagoinha? Há um projeto de parceria em alguma área?

Posso dizer que está firmado um convênio entre a Lagoinha e a igreja presbiteriana neozelandesa. Estaremos sempre vinculados com nossa amada igreja. A maneira como fomos enviados no domingo passado foi um motivo de grande alegria para nós. Nunca esqueceremos do que disse o pastor Márcio: “Isso não é uma despedida, pois despedida é ruptura. Isso é um envio, pois continuaremos ligados”. Além disso, sonhamos que, em breve, o CTMDT possa enviar os primeiros alunos para um tempo de prática ministerial e evangelismo com artes em Queenstown e demais cidades da Ilha Sul. Pedimos aos irmãos que orem por nós e pela igreja da Nova Zelândia. Sabemos que enfrentaremos muitos desafios, mas se estivermos juntos em oração, a obra sempre irá avançar. Por fim, agradecemos às muitas pessoas que semearam em nossas vidas e foram usadas por Deus para nos orientar durante esse longo processo, principalmente, aos nossos pais, que investiram em nós a vida toda e nos ensinaram a servir a Deus com amor e disposição.

Contate o pastor Clay e família pelo e-mail: ctmdt.clay@gmail.com / Twitter: @Clay_Peterson / Facebook: Graziela Santos, Clay Peterson.

Fotos: Arquivo pessoal

Por Atilano Muradas

Lagoinha

Deixe uma resposta