Jônatas relata testemunho de perdão e reconciliação da igreja

0
Congressistas unem as mãos e pedem perdão pela desunião entre as igrejas
Nada melhor que falar de Jesus na data (Sexta-feira Santa) em que lembramos a crucificação de Cristo. Por isso, o Congresso Internacional Adoração e Intercessão, reservou para o segundo dia da atividade o lançamento do álbum “Jesus” do cantor Israel Salazar. Há seis anos no DT, Salazar é conhecido como backvocal da banda e um dos responsáveis pela produção musical de CDs como Sol da Justiça, Creio, Renovo e Tu Reinas.
Grande parte das canções do primeiro álbum solo do ministro de louvor são composições próprias como “Ele me libertou” ,“Pode chover” , “Tu és o Rei”, “Quão grande é o Teu amor”, “Viver para mim é ter você “, “Jesus”, entre outras. “Anda comigo, fala comigo, e guia os meus passos todos os dias”, cantou uma das estrofes da música “Espírito Santo”.
Reconhecido na história da música cristã pelo grande legado, Asaph Borba foi convidado ao altar para adorar ao Senhor com uma de suas canções. A música escolhida para levar a adoração aos céus foi “Jesus em Tua presença”. Outras canções antigas foram entoadas com muita intensidade a alegria pelos congressistas.
Ana revela que possivelmente ano que vem o Congresso terá mais uma mudança, um novo tema a ser acrescentado à atividade: “Congresso Adoração, Intercessão e Missão”. “A adoração tem que estar atrelada a missão e o Asaph é um excelente exemplo que ministros que tem feito missão junto com a adoração”, reforçou Ana Paula Valadão.
Na sequência, Jônatas Câmara, pastor reconhecido no Amazonas pelo trabalho ministerial em centenas de igrejas assembleianas, foi convidado a ministrar a Palavra. Ao ler a passagem escrita em João 17. 21, Jônatas começou a compartilhar um pouco da sua trajetória.
“Comecei aos 17 anos no ministério. Venho de uma família onde sou a quinta geração de pastores. Sempre tivemos um amor muito grande por vidas, então assim mesmo que quiséssemos não havia outra área para ficarmos. Tinha um ministério abençoado no Rio de Janeiro, mas houve um momento em que Deus pediu a mim e a família para irmos para o Amazonas. Resisti, mas vi que Deus nos queria lá”, relata.
Jônatas contou que a igreja crescia de forma maravilhosa no norte do país, mas que ele sentia que algo estava errado. “O Senhor colocou em meu coração um propósito de fazer uma vigília com todas as igrejas, Assembleia, Batista, Presbiteriana, Pentecostal, pudessem orar como um só corpo”. Jônatas explicou que era um grande desafio unir tantas igrejas distintas, mas sabia que Deus tinha um grande plano.
Depois de ter convidado a liderança de Manaus de distintas congregações, eles se reuniram em um único propósito de orarem como Igreja. O preletor explicou que depois deste ato, a Igreja começou a se unir com mais intensidade e atualmente a Marcha para Jesus reúne uma multidão composta por integrantes de várias igrejas.
Jônatas explicou que embora o ato fosse maravilhoso, ainda havia um “clima” pesado na comunhão da igreja. Então a partir de um sonho profético, Deus lhe revelou que era necessário que houvesse pedidos de perdão para todos os pastores que deixaram a igreja sede e se sentiam magoados. E que a liderança da igreja precisava ser tratada pois não ouvia os comandos do “Cabeça” que é Jesus Cristo.
A partir de então, iniciou um processo maravilhoso de perdão entre os pastores da Assembleia em Manaus e de reconciliação da igreja. Vários testemunhos aconteceram pelo ato de perdão. Ao final, a igreja uniu as mãos como ato de pedido de perdão pela desunião das igrejas e orou.
Fonte :: Érica Fernandes
Comunicação Diante do Trono

Deixe uma resposta