Silas Malafaia explica por que os cristãos são contra o aborto

0

O aborto é um dos assuntos mais polêmicos do momento, não só no Brasil como em muitos países do mundo como nos Estados Unidos. As igrejas católicas e evangélicas são as que mais se posicionam contra a prática afirmando que a vida começa na concepção e que, portanto, o aborto é um assassinato.

Na semana que precede o Dia Internacional da Mulher o assunto entra em debate novamente, já que grupos de direitos das mulheres querem descriminalizar a prática alegando que a mulher tem o direito sobre o seu próprio corpo, podendo então interromper a gravidez caso desejar.

Poucas pessoas entendem os motivos que levam os cristãos a se posicionarem com tanta firmeza contra o aborto e para esclarecer essas dúvidas o pastor Silas Malafaia escreveu um artigo no site Verdade Gospel na coluna “Pr. Silas Responde” onde semanalmente ele responde o questionamento dos internautas.

Para o pastor evangélico a questão não é apenas teológica, mas biológica por ter na ciência a afirmação de que a vida começa na concepção. A genética também aceita tal afirmação pela embriologia e pela medicina fetal. “Se a vida começa na concepção, abortar um ser humano, em qualquer estágio da vida dele, é assassinato”, diz Malafaia.

Usando a Bíblia o líder da Associação Vitória em Cristo (AVEC) cita o texto de Êxodo 21.22-25 que revela que na lei de Moisés que fala sobre a punição para quem agredir uma mulher grávida.

“Sabe quais as diferenças entre um óvulo fecundado e um bebê? O tempo de vida, o tamanho e a forma, o desenvolvimento e o tipo de nutrição”, explica.

Malafaia também refuta a afirmação de quem defende o direito da mulher interromper a gravidez indesejada por ter direito ao seu próprio corpo: “O feto não é uma extensão da mãe. Embora precise do útero dela e tenha uma relação simbiótica com ela, o feto é um ser independente. Logo, ela não tem o direito de tirar-lhe a vida.”

“Além disso, nenhum ser humano tem o poder absoluto sobre o seu próprio corpo. Nós não temos o direito, assegurado por lei, de pôr fim à nossa vida. Se assim não fosse, suicídio e eutanásia não seriam criminalizados”.

Gravidez indesejada e o sexo sem proteção

O pastor evangélico também cita que muitas mulheres desejam fazer o aborto para interromper uma gravidez não desejada que muitas vezes é fruto de relações promíscuas.

“A verdade é que a maioria dos abortos é fruto da promiscuidade e irresponsabilidade de homens e mulheres que fazem sexo sem proteção e com qualquer parceiro. Depois, quando um filho é ‘concebido acidentalmente’, querem livrar-se do ‘fruto indesejado’ a qualquer custo”.

Silas Malafaia denuncia que os grupos feministas e liberais de esquerda querem forçar a opinião pública a aceitar o aborto dizendo que a mulher pobre precisa ser melhor tratada nos hospitais públicos para não recorrer às clínicas clandestinas.

“Para comover a população e obter a simpatia dela à sua causa, os grupos favoráveis ao aborto costumam evocar situações de estupro ou de risco de morte da mulher. Mas esses casos são uma minoria e já são respaldados pela lei”, lembra o religioso. “Não devem servir como argumento para a destruição de uma vida inocente, que não pediu para ser gerada e nada pode fazer para se defender contra os que se opõem a ela.”

Fonte: Gospel Prime

Deixe uma resposta